Generosidade

Generosidade

A origem da palavra generosidade diz muito sobre a natureza desta virtude. Antigamente, generosidade, chamava-se ‘grandeza de espírito’, porém a palavra vem do latim ‘generositas’ que significa ‘nobreza’, o que não quer indicar uma hierarquia social e sim a virtude do desapego que em seu sentido filosófico e profundo vai muito além de mandar roupas para o brechó.

Generoso é quem dá algo sem esperar nada em troca; generosidade é a virtude que supera a obrigação. É a qualidade dos espíritos livres, que não vivem sob o jugo de posses, reputações, ganâncias e vaidades. Ela não é nobre no sentido esnobe, mas no sentido transcendente do termo: uma virtude rara, geralmente mais notável por sua ausência que por sua presença, e mais fácil de ser definida por aquilo que ela não é. A generosidade se parece com a justiça, a compaixão, o amor, mas é essencialmente diferente de tudo isso.

Podemos dizer que é impossível amar sem generosidade. Quem tem filhos sabe que sempre queremos partilhar com eles o que há de melhor em nós e poderíamos até dizer que daríamos nossa vida por eles. Mas será que o amor e suas consequências são mesmo uma forma de generosidade? A felicidade de nossos filhos é a nossa própria felicidade e é natural darmos a eles nosso tempo, nossa energia, nosso afeto e tudo o que pudermos. O amor não obedece nossas ordens; não podemos escolher amar ou não amar.

A generosidade é diferente: se quisermos podemos ser generosos ou não. Ela vai além do que se espera de cada um; somos generosos naquele momento em que tratamos os filhos dos outros como se fossem nossos filhos. Ela nos convida a agir, a partilhar o que temos de melhor, mesmo na ausência do amor e a fazer o melhor que pudermos por aqueles a quem nem sempre chegamos a amar.

Se a justiça é essencial, é dar a cada um o que lhe é devido, a generosidade é mais calorosa e humana,é uma virtude de alma leve,é uma escolha, é dar ao outro algo que é nosso e que teríamos o direito de não dar.Se o espírito compassivo é aquele que compartilha a dor dos outros, o nobre espírito da generosidade partilha a própria alegria.Enão diminui ao dar o que é seu, pois pela graça de Deus a alma generosa se torna maior a cada momento, a cada gesto, a cada palavra que presenteia.

Diante do mundo que quer ensinar aos nossos filhos a pensarem só em si mesmos, a conquistarem somente  para si, a buscarem vantagem em tudo, a viverem o egoísmo e a vaidade, nós devemos  ensiná-los a serem  pessoas que praticam a verdadeira generosidade, buscando viver a palavra de Deus que diz: os generosos  acumularão para si mesmos um valioso tesouro para o futuro, a fim de obterem a vida verdadeira(cf. 1Tm 6,19).

Autor: Tiãozinho e Mila – Ministério das Famílias

Comunidade Javé Nissi