DNA Carismático

DNA Carismático

Aquilo que identifica, que distingue a Renovação Carismática Católica dentre outras expressões da Igreja (Movimentos, Pastorais, Organismos, Associações, etc), é a leitura , a maneira como ela interpreta o significado do Pentecostes histórico ocorrido em Jerusalém logo após a ascensão de Jesus. E a RCC – e não somente ela! – identifica esse evento ocorrido naquela festa de Pentecostes com o chamado batismo no Espírito Santo, especialmente em decorrência da afirmação do próprio Jesus, quando ordenou aos apóstolos “que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem aí o cumprimento da promessa de seu Pai, ‘que ouvistes, disse ele, da minha boca: porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui a poucos dias! (…)…pois descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins do mundo”. (Atos 1,4-5.8)

Esse texto, juntamente com outros consignados no Novo Testamento[1] constituem, por assim dizer, o núcleo essencial da experiência que marca aqueles que se identificam com o Movimento. Com a conseqüente manifestação dos carismas que o Espírito houver por bem conceder, dão visibilidade à própria identidade da RCC, pois, a pertença ao que chamamos de Renovação Carismática não se realiza primordialmente através de uma opção por um tipo diferenciado de espiritualidade, ou da aceitação de uma doutrina e de uma liturgia com tinturas de emocionalismo, de cânticos alegres, de louvores efusivos, mas sim através de uma experiência, de um novo encontro com uma pessoa divina, que dá à nossa vida um novo horizonte espiritual, um novo envio, um novo impulso missionário, uma acelerada disposição em nosso processo de conversão pessoal rumo à santidade… ao que chamamos batismo no Espírito Santo!

Para a Renovação Carismática, ser batizado no Espírito significa, de modo especial:

  • Entregar-se significativamente ao Espírito (não só sentir-se “tendo-o”, mas, sentindo-se de/e!)
  • Deixar-se conduzir pelo Espírito, (não apenas ser por Ele “habitado”, mas ser guiado por Ele, rumo a Jesus e à santidade).
  • Ter a sabedoria, a percepção do Espírito, daquilo que é revelado nas Escrituras.
  • Abrir-se a uma nova apreciação à vida de oração, aos sacramentos, à vida da comunidade eclesial (um novo entendimento das coisas de Deus).
  • Receber uma nova disposição para novas missões, para o exercício de ministérios (especialmente para a pregação com poder, com ousadia, com destemor…)
  • Ter a força (prometida) de Deus – inclusive para ser c^paz de suportar afrontas, humilhações, por causa do nome de Jesus (caminho que vai da “renúncia a si mesmo” até o martírio, se preciso for).

“No fundo do movimento pentecostal existe – não obstante todas as diferenças – uma convicção comum: é que o batismo no Espírito Santo é um acontecimento extremamente importante e pode dar-se na vida de qualquer cristão. É o fundamento de uma plena “vida-no-Espírito” de cada cristão e da Igreja de Cristo como um todo; é o fundamento da vida de oração e do testemunho missionário”.[2]

Trata-se, pois, de experiência concreta da graça da perenidade de Pentecostes, na qual a ação do Espírito Santo torna-se realidade experimentada na vida do indivíduo e da comunidade de fé. Trata-se de “ser batizado no Espírito, receber força, e testemunhar a Jesus Cristo”.

Trata-se de um novo envio, nova capacitação, nova percepção a respeito da pessoa do Espírito, que age, hoje, aqui e agora, na história dos homens, e não simplesmente de adesão a um modismo espiritual com conotações extravagantes, de aleluias, línguas estranhas, repouso no Espírito. Isso tudo pode ocorrer, mas, será legítimo tanto quanto mais acolhermos e nos abrirmos ao relacionamento pessoal com essa pessoa divina.

Quem se diz pertencer à RCC deve “ter em seu DNA” as marcas dessa experiência de repleção, de efusão, de se deixar, de se permitir ser conduzido pelo Espírito Santo.

[1] Mt 3, 11; Lc 3, 16; Mc 1,7-8;Jo 1,33; At 11.16, e 1Cor 12,13

[2] SCHOONENBERG, Piet, in “A experiência do Espírito Santo ” (vários autores), Editora Vozes, 1979, pg 90

 

Autor: Reinaldo Beserra dos Reis – II Congresso Teológico-Pastoral da RCC-2006)

Comunidade Javé Nissi