Carismas – Atualidade dos Carismas na Igreja

Carismas – Atualidade dos Carismas na Igreja

A Renovação Carismática tem raízes profundas no Novo Testamento. Este rápido estudo sobre a teologia de S. Paulo põe em evidência a solidez doutrinal de alguns aspectos da práxis da Renovação. O ensinamento de S. Paulo não se restringe apenas à sua época. O novíssimo Catecismo da Igreja Católica mostra a plena validez desse ensinamento para os nossos dias.

A grande graça que Deus concedeu à sua Igreja neste fim do segundo milênio foi a abundância do dom do Espírito Santo. A atualidade da presença operante do Espírito Santo se manifesta no vigor exuberante da Renovação Carismática. Milhões de pessoas, sobretudo jovens, aprenderam a rezar. Poderá haver espetáculo de fé mais comovedor do que uma concentração de vinte ou trinta mil jovens um dia inteiro em nossos grandes estádios, rezando, cantando, louvando, o Senhor e escutando atentos a Palavra de Deus? Esses novos Pentecostes chamados, com toda a razão, de Renovação pessoal e social. Pessoas que viviam num mundo totalmente secularizado, dominadas pelo consumismo e pela ética do prazer, totalmente alheias a qualquer preocupação pela justiça social e alheias à solidariedade e impermeáveis a qualquer sentimento fraterno, de repente se encontram, confraternizam-se recriando as primeiras comunidades da Igreja primitiva nas quais todos eram um só coração e uma só alma (At 4,32). A autêntica reforma social não se impõe de fora, destruindo estruturas pela violência. Quando a pessoa se abre a Deus, se deixa assumir pelo Espírito e reforma seu coração, ela descobre nos outros, sobretudo nos mais carentes e excluídos, seu próximo e seu irmão. A conversão a Deus implica abertura ao próximo e solidariedade fraterna. A Renovação Carismática é a grande esperança da Salvação de nossa sociedade neste fim do milênio.

O novo Catecismo da Igreja Católica recorda várias vezes a redescoberta dos carismas e a renovação do Pentecostes na Igreja de hoje. 798: “O Espírito Santo é o Princípio de toda ação vital verdadeiramente salutar em cada uma das diversas partes do Corpo. Ele opera de múltiplas maneiras a edificação do Corpo inteiro na caridade: pela Palavra de Deus (…) pelas virtudes que fazem agir segundo o bem, enfim pelas múltiplas graças especiais (chamadas “carismas”), através das quais torna os fiéis aptos e prontos a tomarem sobre si os vários trabalhos e ofícios, que contribuem para a Renovação e maior incremento da Igreja”.

  1. “Sejam extraordinários ou sejam simples e humildes, os carismas são graças do Espírito Santo que, direta ou indiretamente, têm uma utilidade eclesial, ordenados que são à edificação da greja, ao bem dos homens e às necessidades do mundo”.
  2. 800. “Os carismas devem ser acolhidos com reconhecimento por aquele que os recebe, mas também por todos os membros da Igreja. Pois são uma maravilhosa riqueza de graça para a vitalidade apostólica e para a santidade de todo o Corpo de Cristo, mas desde que se trate de dons que provenham verdadeiramente do Espírito Santo e que sejam exercidos de maneira plenamente conforme aos impulsos autênticos deste mesmo Espírito, isto é, segundo a caridade, verdadeira medida dos carismas.”
  3. “É neste sentido que se faz sempre necessário o discernimento dos carismas. Nenhum carisma dispensa a reverência e a submissão aos Pastores da Igreja… a fim de que todos os carismas cooperem, na sua diversidade e complementaridade, para o bem comum” (1Cor 12,7).
  4. 951. “A comunhão dos carismas. Na comunhão da Igreja, o Espírito Santo distribui entre os fiéis de todas as classes as graças especiais (carismas) para a edificação da Igreja. Ora, cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a utilidade de todos”.

O Catecismo elenca as variedades dos carismas, como, por exemplo, o “carisma de cura”.  1508: “O Espírito Santo dá a algumas pessoas um carisma especial de cura para manifestar a força da graça de ressuscitado”.

Os carismas, além de “serem dons que o Espírito Santo concede para nos associar à sua obra, para nos tornar capazes de colaborar com a salvação dos outros e com o crescimento do Corpo de Cristo, a Igreja (2003), manifestam também a força da graça do Cristo ressucitado” (1508).


 

Autor: Tácito Coutinho – Tatá

Comunidade Javé Nissi